menu

Jan 3, 2015

Becos



          Àquela noite puxei seu cabelo, vi seu sorriso e suas mãos, como sempre inquietas. Ele usava seus tênis rasgados e sem muita demora mordi seu ombro direito. Ainda me lembro bem o que ele falou.
-Eu matarei você!
          Eu não pude me defender de suas ameaças, tive de escolher como morreria naquelas mãos, então deixei que me levasse e junto minha respiração. Foi o que ele fez, me levou para os becos escuros da cidade.Uma noite, um ano, uma vida, não sei o quanto, mas precisava de mais tempo comigo. Aconteceu o mesmo em mim, sua dose estava ficando insuficiente, eu precisava descobrir seus segredos e assim poder me entregar a esse novo começo, sem medo.
          A suave chuva que começava se transformou em uma forte tempestade em poucos minutos, meu interior estava se inundando de um novo sentimento indefinido pela falta de crença no amor. Aceitar que eu estava me perdendo parecia um bom começo para me reencontrar.
          Então segurei sua mão e caminhamos pela chuva.
-Me perdoe, eu não sei dançar, - falei rindo um pouco de suas investidas. Olhou-me um pouco decepcionado e beijou minha boca junto com os pingos d'água. - mas obrigada pelo beijo.
          Toquei seu cabelo molhado, que ficou engraçado por ser liso. Ele me tocou profundamente.
-Poderíamos nos beijar a noite inteira. -falou.
- Nós poderíamos sair pelo mundo.
-Poucas palavras... Mais atitudes, - calou minha boca com outro beijo.
          Ele continuou a calar minha boca com beijos por muitas outras noites. Eu segurando sua mão. Sem lugar próprio nós caminhávamos pelos lugares escuros da cidade, a procura da nossa paz.

Comente com o Facebook:

4 comments:

  1. Adorei! Foi você que escreveu? Tem muuuito talento!
    Beijo **

    http://prologuesepilogues.blogspot.com/

    ReplyDelete
    Replies
    1. sim, eu escrevo as vezes! *-* Obg! bjs!

      Delete
  2. Foi você que escreveu ? Que lindo !
    mundoemcarts.blogspot.com.br

    ReplyDelete